quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Resenha - Transmutados: O Desconhecido

Quando Luisa Lima descobre que existe alguém que nasceu para pertencer a ela, não pensa duas vezes em fazer as malas e ir atrás do que parece ser o amor perfeito. 

Quando completa dezoito anos recebe um presente: o dom de ouvir os pensamentos alheios. Como se isso já não fosse o suficiente complicado, ainda descobre possuir a habilidade de se “desprender” do próprio corpo e mover-se a qualquer lugar, na velocidade da luz, apenas como energia, como espírito. Confusa com seus poderes, Luisa, tem a sorte de conhecer quatro jovens dispostos a explicar e a levá-la ao complicado mundo dos Transmutados. É quando descobre que todo Transmutado nasce predestinado a um parceiro ideal, e, quando isso acontece com Luisa, ela segue em busca de sua “alma-gêmea”, fechando os olhos e ignorando todos os perigos que esse relacionamento pode causar.


Skoob
Página no facebook 


O que a Josy achou?

Apesar do foco do livro ser o sobrenatural poder que envolve alguns jovens, o grande talento de Vanessa Tourinho em seu livro de estreia TRANSMUTADOS, O DESCONHECIDO, é conseguir captar a essência de um bom romance sem perder o ritmo acelerado de um livro de aventura.

Narrado em primeira pessoa, conhecemos Luisa, uma jovem brasileira como muitas, que rala para estudar e ter uma casa. Porém, com um diferencial: ela é órfã e cresceu em um orfanato. Assim sendo, não tem muita base para se segurar. Essa insegurança mesclada com garra acompanha a protagonista dentro de um mundo de descobertas incríveis, como um poder telepático, um grupo de “diferentes” modernos chamados de GoodPowers e, especialmente, a descoberta de sua alma gêmea.

Apesar do poder de Luisa ser-nos apresentado um tanto de repente, a autora fundamenta tal dom em lendas egípcias e gregas. Ao longo do livro somos expostos a elas, enquanto as pontas vão sendo preenchidas. 

Ter fundamento é um dos pontos altos do livro. Porém, para mim, o melhor é a humanização da protagonista nas mãos de Vanessa. Luisa, ora disposta a cruzar o oceano atrás da sua alma gêmea, mostrando-se uma guerreira corajosa, ora com medo de simplesmente abrir o coração para a melhor amiga, consegue ser querida em vários momentos, e insuportavelmente sem tato em outros. Por ex: na chegada a Londres, sua acidez com a Maya – que se dispôs a viajar com ela – atirando na outra o fato de que a companheira ainda não havia tido A VISÃO (como eles chamam o estado que fica a mulher transmutada que encontra sua alma gêmea), foi algo quase imperdoável. Porém, se me deixarem chutar, diria que Luisa é do signo de Aquário, porque, como aquariana, eu sei bem o que é não saber controlar a boca, rsrsrs.

“Olhe, não tenho culpa por ter sofrido a Visão tão rapidamente. Não foi uma escolha minha. Aconteceu, O.K? Não desconte em mim sua mágoa!” – Pag 69.

O ponto negativo do livro não é bem um ponto negativo, apenas algo que para mim, Josy, fica estranho: Quase metade da ala masculina do livro se interessou por Luisa. Sim, eu sei... eu mesma já escrevi coisas do tipo (como em A Insígnia de Claymor), mas, como é intrigante tal situação quando estamos do outro lado do livro, como leitores. Então, incomoda, até porque Luisa não demonstrou em nenhum momento ser do tipo arrebatador. Ao contrário, era quase cega aos sentimentos que nutria pela sua alma gêmea. Aliás, achei os pretendentes maravilhosos. Adorei o bom humor de Joe e a garra de Daniel. Em contrapartida, Chris é um porre. 

A protagonista esbanjou infantilidade várias vezes, recusando-se a ouvir a família, o clã, que em vários momentos só queriam protegê-la. Mesmo assim, ela conseguiu segurar o livro, dar ritmo a ele, foi essencial nos momentos oportunos. E, juro, torci demais para que ela ficasse com Daniel. Simplesmente, como ela não vê que a cumplicidade ao lado do primeiro amor é bem mais intensa que esse sentimento sem base com a dita alma gêmea?


“Doente de amor. Blá, eu sei que é brega dizer isso, mas era como eu me sentia. Droga de amor bandido!”, pag 97.

As reviravoltas do livro são um show a parte. Quem não perdeu o ar em descobrir sobre o elo entre Tamara e Chris? Deu para visualizar a cena inteira! Mas, o que acontece com Mille... isso sim... isso choca.

Vanessa Tourinho parece ser o tipo de autora que não demorará muito em levantar em seus livros questões femininas que atazanam nossas vidas há séculos. Então, todo amor vale a pena? Até que ponto devemos estar dispostos a lutarmos pelo nosso parceiro ideal? E será que existe mesmo predestinados? Existe futuro numa relação não construída, surgida do acaso?



2 comentários:

Van Tourinho disse...

Oi Josy!
Primeiro, como você lê rápido, mulher! :O
Segundo, muito obrigada pelo espaço, e pela divulgação.
Vamos falar sobre o livro agora!
Nunca parei para pensar no signo da Luisa, ou em sua data de nascimento, mas ela sem dúvida se encaixaria no signo de aquário. Acho que acabei deixando escapar, de mim, essa rebeldia que é tão clara nela.
Para mim, Joe é apenas um "velho" safado que não pode ver nada com peitos. :P Hahahaha, eu não levo a sério o que ele sente pela Luisa, porque ele não sente. Só está jogando seu jogo de safado. Daniel, por ter crescido com a Lu, a vê como algo estável dentro desse mundo conturbado deles, mas já não sente amor por ela. Toni é mais complexo e envolve spoilers, então falaremos dele ano que vem.
Quis focar no romance de Luisa e Chris, mas a história foi ganhando vida própria, e deixou de ser só um romance, precisei focar nos dramas dos Transmutados, por isso negligenciei Christian. Mas darei uma atenção especial a ele, e a Toni no segundo livro. :D
Muito obrigada pela resenha e pelo carinho! Tenho um carinho enorme por você, Josiane!
Mil beijos!

Josiane Veiga disse...

Oi Vanessa
Não citei o Toni porque fiquei mto surpresa com o beijo deles nas cenas finais, pois até então eu o via como um pai adotivo e tal... mas, ele é outro que considero melhor que o Chris. Veja bem, o livro é ótimo, dei 5 estrelas para ele no skoob e eu o recomendo a fãs de romance sobrenatural, apenas..na minha opinião, faltou química entre os protagonistas, e isso é comum... porque cada leitor vê de um jeito... Mas, nada que desqualifique o livro e tal. Se eu não tivesse gostado, teria dado nota menor.. porque sinceramente pra mim essa quimica não fez a menor falta...
Parabéns pelo livro ♥